terça-feira, 2 de outubro de 2012

ERIK SCHUNK MOSTROU, NO DEBATE DA RECORD, PORQUE É O CANDIDATO DA MUDANÇA

Do Blog de Erik Schunk

Foto: Silvana Rust/Terceira Via

No debate promovido pela TV Record entre a noite de ontem e madrugada de hoje, entre os candidatos à Prefeitura de Campos, o candidato do PSOL, Erik Schunk, abriu o evento já deixando claro porque era um candidato diferente. Disse que entre os cinco havia dois com registro ainda com pendências judiciais que poderiam trazer mais instabilidade jurídica para a cidade, além de outro que se apresenta como novo, mas que na verdade "é do partido do mensalão, dos encândalos do Cachoeira e tem apoio dos governos Cabral e Dilma, que arrocham os salários dos trabalhadores". Erik Schunk pediu ainda aos telespectadores que prestassem atenção dos candidatos, que estão aqui "sem a megaproduções de alguns programas eleitorais".
Em todas as suas intervenções, Schunk, candidato da Frente de Unidade Popular (FUPO), integrada pelo PSOL-PSB-PSTU- fez críticas à atual admnistração sem deixar de apresentar propostas, como a licitação por pregão eletrônico e "transmissão, ao vivo, pela Internet, das reuniões da Comissão de Licitação, como faz a cidade de São Carlos, em São Paulo".
Erik Schunk alertou às classes médias e alta para a necessidade de melhorar o atendimento na emergência do Hospital Ferreira Machado:
— Para quem não sabe, mesmo as pessoas que têm os melhores planos de saúde e se sofrerem algum acidente considerado emergência vermelha, ou seja, que tenha sangue, vai obrigatoriamente que ir para o Ferreira Machado, porque os hospitais particulares não têm condições de atender emergência desse tipo, ou seja, vai ter que disputar vaga na UTI e nos corredores que é onde ficam as pessoas esperando atendimento, às vezes por horas seguidas".  
Em suas considerações finais, Erik Schunk lembrou que a cidade é governada pelo mesmo grupo político há mais de 20 anos e que o atual governo teve orçamento de cerca de R$ 10 bilhões em quatro anos e não resolveu nenhum dos problemas do município: "Eles fazem uma obra de fachada aqui e outra lá para que funcione como vitrine, para dar a impressão de que o problema foi resolvido, mas não.Aliás, não interessa ao populistas que as pessoas tenham acesso à educação, saúde, cultura e esporte de qualidade porque se adquirem consciência não vão mais ser escravos eleitorais deles". 
                                                                                Foto: Silvana Rust/Terceira Via
ASSESSORIA DE IMPRENSA

2 comentários:

  1. Makhoul presta esclarecimentos acerca do debate na Record

    Em respeito à população de Campos e à organização do debate promovido pela Rede Record na noite desta segunda-feira, gostaria de esclarecer que na tarde do dia 01, sofri uma forte crise de sinusite que achei que fosse me impedir de participar do debate. Como considero o debate de ideias talvez a coisa mais importante de uma campanha eleitoral me mediquei buscando me recuperar a tempo.

    Melhorei da sinusite, mas o cansaço acumulado e alguma reação adversa ao medicamento me causaram uma crise hipertensiva que se agravou a partir do início do segundo bloco do debate, me deixando completamente atordoado, sem conseguir ouvir, pensar e nem falar direito.

    Aqueles que me conhecem certamente notaram que havia algo errado.
    Lamento a falta de condições físicas ideais para ter o desempenho que todos de mim esperavam. Agradeço a preocupação manifestada durante todo o dia de hoje e informo que já estou me sentindo bem, recuperado e bem disposto. Podem confiar que estou preparado para continuar a nossa luta e mostrar do que somos capazes no próximo debate e no dia da eleição.

    Forte abraço e até a vitória!


    ResponderExcluir
  2. Do blog do Roberto Moraes
    TSE, em decisão monocrática, nega recurso de Arnaldo
    Em decisão monocrática, o ministro do TSE, Dias Tofolli negou recurso do candidato a prefeito, Arnaldo Vianna. Com a decisão os votos de Arnaldo Vianna no próximo domingo serão considerados nulos.

    IMPUGNAÇÃO AO REGISTRO DE CANDIDATURA - REGISTRO DE CANDIDATURA - RRC - CANDIDATO - INELEGIBILIDADE - REJEIÇÃO DE CONTAS PÚBLICAS - VIDA PREGRESSA - CONDIÇÃO DE ELEGIBILIDADE - PLENO EXERCÍCIO DOS DIREITOS POLÍTICOS - CARGO - PREFEITO - PEDIDO DE CONCESSÃO DE LIMINAR - PEDIDO DE EFEITO SUSPENSIVO A RECURSO
    Decido.

    Não observo, na espécie, a presença dos requisitos para a concessão da tutela de urgência.

    A pretensão do autor de participar de todos os atos da campanha eleitoral enquanto o seu registro estiver sub judice já está assegurada pelo art. 16-A da Lei nº 9.504/97 que assim dispõe:

    Art. 16-A. O candidato cujo registro esteja sub judice poderá efetuar todos os atos relativos à campanha eleitoral, inclusive utilizar o horário eleitoral gratuito no rádio e na televisão e ter seu nome mantido na urna eletrônica enquanto estiver sob essa condição, ficando a validade dos votos a ele atribuídos condicionada ao deferimento de seu registro por instância superior.

    Nesse sentido, colaciono o seguinte precedente deste Tribunal:

    Recurso especial. Processo de Registro. Atribuição. Efeito suspensivo.

    1. O art. 43 da Res.-TSE 22.717 estabelece que o candidato que tiver seu registro indeferido poderá recorrer da decisão por sua conta e risco e, enquanto estiver sub judice, prosseguir em sua campanha e ter seu nome mantido na urna eletrônica, ficando a validade de seus votos condicionada ao deferimento de seu registro por instância superior.

    2. Em face do que expressamente dispõe essa disposição regulamentar, torna-se desnecessária a atribuição de efeito suspensivo a recurso especial pretendido por candidato em processo de registro [Grifei].

    Agravo regimental a que se nega provimento.

    (AgR-REspe nº 33519/PE, PSESS de 28.10.2008, Rel. Min. Arnaldo Versiani) (Grifei)

    No que se refere à antecipação do provimento do recurso especial, a fim de que seu registro seja deferido e, por conseguinte, seja reconhecida a validade dos votos que lhe forem atribuídos para fins de proclamação do resultado, a providência possui natureza nitidamente satisfativa, o que é vedado em ação cautelar.

    De todo modo, neste juízo de cognição sumária, não vislumbro a presença do fumus boni iuris.

    A jurisprudência firmada no âmbito desta Corte é de que "as condições de elegibilidade e as causas de inelegibilidade devem ser aferidas a cada eleição. O reconhecimento ou não de determinada hipótese de inelegibilidade para uma eleição não configura coisa julgada para as próximas eleições (REspe nº 43342-43/AL, DJE de 15.9.2011, Rel. Min. Arnaldo Versiani).

    Logo, mesmo que o Tribunal tenha assentado a inexistência de inelegibilidade em pleito passado, tal decisão não vincula a aferição das condições de elegibilidade e das causas de inelegibilidade para o pleito vindouro.

    Demais disso, a análise de eventual direito à proclamação como eleito só teria lugar se o candidato efetivamente vier sagrar-se vitorioso nas urnas.

    Ante o exposto, nego seguimento à ação cautelar, com base no art. 36, § 6º, do RITSE, prejudicada a análise do pedido de liminar.

    Publique-se em sessão.
    Brasília-DF, 02 de outubro de 2012.
    Ministro Dias Toffoli, Relator."

    PS.: Atualizado às 23:40: Abaixo os detalhes da tramitação e da decisão do TSE:
    Decisão do TSE negando Liminar a Arnaldo Vianna 02-10-2012

    http://robertomoraes.blogspot.com.br/2012/10/tse-em-decisao-monocratica-nega-recurso.html

    ResponderExcluir